A trabalhar diligentemente em prol de todos os independentes e startups

Descubra as razões da nossa criação

A Associação ALLIANCUP tem como objetivo e finalidade representar, defender e salvaguardar os interesses profissionais, morais, económicos, sociais e jurídicos dos seus membros que exerçam ou que pretendam exercer uma atividade independente ou sob a forma de uma Startup.

A associação debruçar-se-á em particular sobre todas as questões económicas e sociais de interesse para os trabalhares independentes e startups já estabelecidos, recentemente estabelecidos ou que planeiam estabelecer-se no Grão-Ducado do Luxemburgo, bem como o desenvolvimento da economia e da iniciativa privada.

AlliancUp
constituída a

A oportunidade de estabelecer uma ligação com o tecido económico Luxemburguês e afirmar os seus direitos.


Notícias:

AlliancUp
Anúncio oficial


Apesar do período de crise vivido por culpa da COVID-19, temos a honra de anunciar o lançamento oficial de uma união de trabalhadores independentes e start-ups que nasceu graças à participação de todos os membros do grupo Facebook 'Rescue Independents and Startups”'

Ver notícia

PRESS Paperjam -
Os fisioterapeutas continuam sem nenhum tipo de ajuda


Entrevista a Xavier Celli que explica que vários trabalhadores independentes do sector da saúde se encontram numa situação crítica devido à crise sanitária gerada pela epidemia do Coronavirus

Ver notícia

PRESS Lëtzebuerger Journal -
Os independentes e as Start-ups numa situação de emergência.


Giovanni Patri, Presidente da AlliancUp, deu uma entrevista ao Lëtzebuerger Journal onde explica que o Luxemburgo terá um aumento do desemprego e que menos rendas serão pagas. Na mesma entrevista, o presidente indica ainda que se hoje temos que fazer face a uma crise sanitária, daqui a alguns meses teremos que enfrentar uma crise social.

Ver notícia

Anúncio do Governo -
Acordo entre sindicatos e Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho, assim como vários sindicatos, assinou um acordo laboral que permite o aumento do pagamento do subsídio de desemprego de 80% para 100% do salário mínimo nacional.

Ver notícia